Uma alimentação balanceada, rica em nutrientes e antioxidantes, é fundamental em períodos de alto estresse, pois é a partir dela que temos os nutrientes para produzir enzimas digestivas e hormônios e para que o metabolismo funcione adequadamente. Por isso, se você está percebendo os sinais do esgotamento mental e físico, dê atenção especial ao que consome.

 

Uma dica é priorizar alimentos fontes de proteína. Nessa lista estão a carne, peixes, ovos e o queijo. Eles são precursores dos aminoácidos, importantes para a produção de neurotransmissores cerebrais, que auxiliam no humor e bem-estar.

 

Outro grupo alimentar importante é o das folhas verdes e vegetais ricos em magnésio, vitamina C e colina. Vale, ainda, consumir frutas vermelhas, que são ricas em antioxidantes que auxiliam na redução do estresse oxidativo, aumentado em momentos de tensão.

 

Consuma mais carboidratos, provenientes de farinhas integrais, cereais, batatas e legumes, pois são fontes de energia e, em momentos de alto estresse, a alimentação deve conter tal macronutriente.  Para completar, aumente a ingestão de água e diminua o café, substituindo-o por chás calmantes como camomila, erva-doce e cidreira.

 

Sugiro também a você dormir mais cedo, para que a melatonina, indutor natural do sono, seja liberada, promovendo o sono reparador. Busque momentos de relaxamento e lazer para controlar o cortisol. O pensamento anda tão acelerado que atividades que diminuem o ritmo são ótimas para manter o equilíbrio nessa época do ano. Vale meditação, massagens relaxantes, sauna, reike, acupuntura, ioga.

 

Na medida em que o equilíbrio acontece, o rendimento no trabalho, a motivação e o estado emocional melhoram. A dor de cabeça e as tonturas, comuns em casos de esgotamento mental e físico, cessam. Lembre-se: o corpo fala o tempo todo! Se bateu cansaço incontrolável, exaustão sem relação com doenças ou alterações em exames laboratoriais, é necessário desacelerar e rever atitudes!